"Quando em um ponto qualquer do Globo os homens votados à Cultura das Ciências e das Artes se reúnem e se associam para, com... "
Ver mais>>

Maciel Monteiro

Ano VIII, nº 29, nov. 2019/mai. 2020
Só os nomes dos acadêmicos são grafados em negrito.

PANDEMIA OBRIGOU A SUSPENSÃO TEMPORÁRIA DAS ATIVIDADES DA ACADEMIA BRASILEIRA DE ARTE

Com a eclosão da pandemia da COVID 19, em março, o tradicional jantar anual oferecido pela presidente Heloisa Aleixo Lustosa, na residência de sua filha Eliane Lustosa, teve de ser cancelado, assim como a palestra de abertura das atividades do ano social, inicialmente programada para abril, quando nosso confrade Cláudio Murilo Leal nos falaria sobre o centenário de Clarice Lispector (1920-1977).
Cláudio enviou-nos uma síntese de sua exposição, que ora publicamos, esperando todos podermos ouvi-lo quando a crise passar.

CLARICE LISPECTOR

Fotografias: g1.globo.com.Clarice Lispector, escritora de origem judaica, nasceu na Ucrânia em 10 de dezembro de 1920 e morreu em 9 de dezembro de 1977, um dia antes de completar 57 anos. Datas que revelam uma estranha descoincidência. Mas quase tudo em Clarice era estranho: a sua estranha beleza, a sua personalidade, a sua literatura.
A biografia de Clarice vai-se esfumando no tempo: Ucrânia, Brasil, Maceió, Recife onde ingressa no Collegio Hebreo-Idisch-Brasileiro, finalmente Rio de Janeiro. Adota a nacionalidade brasileira, casa com um diplomata e mora nos Estados Unidos: filhos, divórcio, dificuldades financeiras... ou como escreveu em verso Paul Verlaine “et tout le reste est littérature”. O resto da biografia de Clarice Lispector é a sua impactante e originalíssima literatura. Ela escreveu dezenas de romances, contos, crônicas, livros infantis. Decifrar certos momentos epifânicos da sua opera omnia é tarefa das mais difíceis para o leitor regular, normal e até mesmo para os doutos exegetas.
Em futura palestra na A.B.A espero falar apenas sobre o romance intitulado Maçã no escuro e dois contos de Clarice Lispector numa tentativa de desvendar a chamada welstanchauung, cosmovisão ou mundivisão que ela deixa entrever nas linhas e entrelinhas de sua obra.
Os dois contos que comentarei estão incluídos no livro Laços de família: “Amor” e “Imitação da rosa”.

ACADÊMICOS EM FOCO

A paralisação das atividades levou, igualmente, à interrupção do presente informativo, pelo que a presente seção reportará as notícias de consócios a partir do último bimestre de 2019, certamente com algumas falhas em razão da própria falta de comunicação decorrente do isolamento social imposto pela situação, pelo que, de antemão, nos escusamos.


Alexei Bueno compôs “Matinada da Peste”, belo poema a propósito do cantar dos pássaros nestes dias de pandemia. Dia 20 mar.

Anna Bella Geiger participou de conversa aberta na Galeria Simone Cardinelli Arte Contemporânea, em Ipanema, sobre seus trabalhos na exposição “O ovo e a galinha”, em cartaz na referida galeria. Dia 5 mar.

Cláudio Murilo Leal foi reeleito presidente da Academia Carioca de Letras para o biênio 2020-2021. Dia 2 dez.

Dalal Achcar apresentou, em forma de ballet, com 238 figurinos, seu “Conto de Natal”, num espetáculo de cores, luzes e figuras no Teatro Riachuelo, com incentivo da Lei de Incentivo à Cultura. Dia 5 dez.

Divulgação

Dora Alcântara e Victorino Chermont de Miranda foram reconduzidos pelo governo estadual à representação do IAB e do IHGB no Conselho de Tombamento do Estado do Rio de Janeiro. Dia 10 mar.

Evandro Carneiro encerrou as atividades de 2019 de sua Galeria de Arte com a exposição de Ira Etz e Uziel, de 30 nov. a 04 jan.

Divulgação

Gonçalo de Vasconcelos e Sousa (Porto) publicou artigo intitulado “Riqueza e estatuto social: jóias e pratas do Coronel Carlos José da Silva, o da Inconfidência Mineira, e de sua mulher, em Vila Rica (Minas Gerais, Brasil), em 1790”, fruto de pesquisa realizada no Arquivo Histórico do Museu da Inconfidência/Casa do Pilar, em Ouro Preto.

Haroldo Costa integrou, mais uma vez, o júri Estandarte de Ouro, do Carnaval de 2020, promovido pelo jornal O Globo. Dia 25 fev.

Lauro Cavalcanti comemorou os dois anos de funcionamento da Casa Roberto Marinho com intensa programação nas redes sociais, com entrevistas com artistas e curadores de suas exposições. Dia 28 abr.

Fotografia: O Globo.

Marcos Azambuja, em sua coluna em O Globo, abordou as contradições destes tempos de pandemia, a partir de três emblemáticos cenários: o do imenso porta-aviões norte-americano ainda assim atacado pelo coronavirus, o da Casa Branca e do Palácio da Alvorada como se nada estivesse ocorrendo à volta, e o da Praça de São Pedro vazia, mas acompanhada por imensa audiência virtual na “comunhão da mais cosmopolita das religiões, com sua cidade-sede e com o mundo ao redor”. Dia 21 abr.

Maria Helena de Andrade apresentou-se, como pianista, coordenadora e diretora artística, em dois recitais, sob os auspícios do Projeto Música no Museu: em 15 de janeiro, no Centro Cultural Banco do Brasil, em comemoração dos 250 anos de Beetoven, e, em 5 de março, no Centro Cultural da Justiça Federal, em comemoração do 133° natalício de Villa-Lobos.

Fotografia: Acervo Maria Helena de Andrade.

Ricardo Cravo Albin assumiu a presidência do PEN Clube do Brasil para o biênio 2020-2021.

Ricardo Tacuchian apresentou sua “Cantata de Natal”, no Teatro Municipal, reunindo 150 vozes da Associação de Canto Coral e 50 músicos da Orquestra Sinfônica Brasileira. Dia 23 dez.

Reprodução: O Globo.

Sergio Fonta foi eleito vice-presidente da Academia Carioca de Letras para o biênio 2020-2021. Dia 2 dez.

Sergio Telles teve quadro de sua autoria apregoado em leilão de Martha Burle Escritório de Arte. Dia 26 maio.

Victorino Chermont de Miranda e João Maurício de Araújo Pinho tomaram posse, respectivamente, como presidente e 2º vice-presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro para o biênio 2020-2021. Dia 11 mar.

N.E. - Solicita-se aos Acadêmicos, que o desejem, o envio de notícias de suas atividades e premiações, no campo das artes, para a redação deste informativo.


 

A.B.A PERDE AFONSO ARINOS

Reprodução: O Globo.A Academia Brasileira de Arte viu-se desfalcada, em 15 de março, do ocupante de sua Cadeira 29, Afonso Arinos de Mello Franco.

Formado pelo Instituto Rio Branco em Diplomacia (1952) e em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Brasil (1953), Afonso fez, em 1955, o Curso do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB) e, em 1957, o de Direito Internacional na Universidade Internacional de Estudos Nacionais “Pro Deo”, de Roma. Foi deputado à Assembleia Legislativa e Constituinte do Estado da Guanabara (1960-1962), deputado federal pelo Rio de Janeiro (1964-1966) e professor-assistente de Civilização Contemporânea no Curso de Jornalismo da UNB (1965). 

Publicou Primo canto, Três faces da liberdade, Atrás do espelho, Tempestade no Antiplano (1998), Ribeiro Couto e Afonso Arinos, Diplomacia independente, Perfis em alto-relevo, Mirante e Tramonto, tendo, ainda, organizado, transcrito e apresentado o livro “Rosa de Ouro”, de seu pai (2007).

Era membro da Academia Brasileira de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (de que foi 2º vice-presidente e decano a partir de 2017), do PEN Clube do Brasil e da Academia Fides et Ratio, tendo se empossado na A.B.A em 28.11.2001.

Foi eleito para a A.B.A em 21/12/2000.


MEMORABILIA XXIX

Fotografias: Acervo Casa de Arte e Cultura Julieta de SerpaFotografias: Acervo Casa de Arte e Cultura Julieta de SerpaEm tempos de isolamento social, nada melhor que relembrar um dos jantares oferecidos pelo então presidente da A.B.A, Agenor Rodrigues do Valle, na Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa, em janeiro de 2005.

O encontro contou com a presença de Heloisa e Carlos Lustosa, Afonso Arinos e Bia Mello Franco, Antonio e Dulce Fantinato, Bella Josef, Luiz Paulo Horta, Sylvio e Elza Lago, Vasco e Regina Mariz e Victorino e Olivia Chermont de Miranda.

Fotografias: Acervo Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa

Fotografias: Acervo Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa

Fotografias: Acervo Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa


  LOGOP

Academia Brasileira de Arte

Heloisa Aleixo Lustosa
Presidente 

Dalal Achcar 
Vice-presidente

Victorino Chermont de Miranda
Secretário Geral

Mário Mendonça
1º Secretário

Paulo Barragat
Tesoureiro

Victorino Chermont de Miranda
Editor do informativo

 
Apoio Cultural
PenClubePenClube

Academia Brasileira de Arte – Fundada em 12 de agosto de 1942

© Academia Brasileira de Arte – Todos os direitos reservados. Termos de uso